Bula Oxiton

Indicação

Para que serve?

Indução do trabalho de parto nos casos de ruptura prematura das membranas na pré-eclampsia e pós-maturidade.

Estímulo da contração nos casos de inércia uterina primária ou secundária. Controle de hemorragia ou atonia uterina pós-parto quando os derivados do esporão de centeio não forem indicados.

Contraindicações

Quando não devo usar?

Desproporção céfalo-pélvica, apresentação anormal do feto, pré-disposição à ruptura uterina (gravidez múltipla, multiparidade e cesarianas anteriores ou outras cirurgias envolvendo o útero).

Nos casos de toxemia grave, predisposição à embolia amniótica (feto morto retido, abruptio placentae , contrações uterinas hipertônicas, placenta prévia e hipersensibilidade à Oxitocina.

Posologia

Como usar?

Indução ao trabalho de parto – infusão I.V. gota a gota de uma solução de Dextrose a 5% contendo 1 UI de oxitocina por 100 ml.

Antes do uso, agitar o frasco para homogeneizar a mistura. Iniciar a infusão com 2 a 8 gotas/ minuto (0,1 a 0,4 ml/minuto ou 1-4 mU/minuto) aumentando gradualmente, se necessário até um máximo de 40 gotas/minuto ( 2 ml/minuto ou 20 mU/minuto). Monitorizar constantemente a freqüência cardíaca do feto suspendendo a
infusão se ocorrer hiperatividade uterina ou esgotamento fetal.

Se após a infusão de 500 ml (5 UI de Oxitocina) não se verificar contrações regulares, interromper a tentativa de indução ao trabalho de parto.

Efeitos Colaterais

Quais os males que pode me causar?

A infusão muito rápida ou doses excessivas em infusão prolongada podem provocar um efeito antidiurético com intoxicação aquosa, cefaléia, náuseas e convulsões. Doses excessivas ou hipersensibilidade podem provocar hipertonia uterina, contração tetânica e ruptura do útero e, ainda, bradicardia fetal, arritmias cardíacas, asfixia fetal, hemorragia pós-parto, icterícia neonatal, afibrinogenemia e contrações ventriculares prematuras.

Advertências e Precauções

O que devo saber antes de usar?

A Oxitocina só deve ser utilizada em pacientes hospitalizadas sob restrito cuidado médico e de pessoal especializado.

A indução do parto por meio da Oxitocina deve ser avaliada pelo médico observando as condições do feto e da paciente, e sob cuidadosa monitorização durante a aplicação do produto.

A aplicação deve ser feita somente por infusão endovenosa gota a gota. Nas pacientes com distúrbios cárdio-vasculares, manter o volume de infusão inferior numa solução mais concentrada.

Apresentação

Caixa com 50 ampolas de 1 ml
Cada ampola de 1ml contém – Oxitocina 5 UI
por ml.

Interações Medicamentosas

O efeito da Oxitocina pode ser antagonizado por anestésicos gerais com um grande poder útero-relaxante ( Halotano, Clorofórmio, etc. ).

A administração concomitante com prostaglandinas ou outros estimulantes da concentração uterina deve ser feita com muito cuidado.

A administração com agentes vasopressores pode provocar grave hipertensão arterial no pós-parto podendo levar a acidente vascular.

Venda

Venda sob prescrição médica

Introdução

Oxiton
Oxitocina
Solução Injetável

Informações Técnicas

– Modo de Ação:
A Oxitocina sintética injetável é um polipeptídeo sintético constituído de oito aminoácidos. A Oxitocina age seletivamente sobre a musculatura lisa do útero, especialmente no final da gestação, durante o parto e no pós-parto. Produz contrações rítmicas ou aumenta a freqüência e a amplitude das contrações já existentes, aumentando o tono uterino.

Uso Adulto

Uso restrito em hospitais

Prevenção de Hemorragia Uterina Pós-parto

A dose usual é 5 UI por injeção IV lenta ou de 5 a 10 UI. IM, após a expulsão da placenta. Nas pacientes que se administra Oxiton para a indução do parto ou estímulo das contrações, poder-se-ia continuar a infusão a uma velocidade acelerada durante o terceiro estágio do parto e durante mais algumas horas.

Conduta Na Intoxicação

Os sintomas do quadro de intoxicação hídrica incluem dor de cabeça, náuseas, vômitos, anorexia e dor abdominal nos casos leves.

Nos casos avançados ocorre sonolência, convulsões e coma.

A concentração de eletrólitos no sangue é baixa.

O tratamento consiste em suspender qualquer ingestão de líquidos, provocar a diurese e corrigir o desequilíbrio eletrolítico.

As convulsões podem ser controladas com diazepínicos.

Nos casos de coma, manter a função respiratória e aplicar as medidas necessárias.

Laboratório

Genom – União Química Farmacêutica Nacional

– SAC: 0800 11 1559